Ver Postagem

AGRICULTORES FAMILIARES FAZEM CURSO DE BENEFICIAMENTO

Em Noticias by Observatório Rio das OstrasDeixe um Comentário

 

Aipim foi a matéria utilizada em formação que aplicou técnicas de aproveitamento integral de alimentos

Agricultores familiares solicitaram ao Serviço Nacional de Aprendizado Rural (SENAR)  um curso de capacitação no beneficiamento do aipim . Ocorrido entre setembro e outubro, o curso teve duração de três dias e atendeu 15 agricultores familiares, o curso foi em Cantagalo, Foram ensinadas varias técnicas de como beneficiar totalmente o aipim, o aproveitamento vai desde a folha até a casca. Alguns agricultores familiares viam somente a venda das caixas in natura como renda das suas plantações, Após o curso os agricultores familiares viram a possibilidades de aumentar suas rendas com o beneficiamento do produto. As agricultoras familiares aprenderam  sobre a higienização ,beneficiamento e apresentação do produto.

 

 

O curso foi ministrado pela instrutora Beatriz Miranda, formada em economia domestica. Segundo a instrutora ” todo o cuidado que devemos ter na escolha da mandioca e na higiene dos utensílios e equipamentos, interfere diretamente no valor agregado do produto”. Ela ainda complementa dizendo quê:” o aipim é  um alimento de grande interesse gastronômico na culinária brasileira, e tem a possibilidade de chegar a mesa do consumidor final em diversos pratos elaborado diretamente pelos agricultores, como: sorvetes, farofas, bolos, biju, tapioca, escondidinho, empadão entre outro, aumentando assim o retorno financeiro”.

Foi ensinado pratos de valores agregados e sofisticados para um aumento no valor do produto final. O aipim é um alimento de grande interesse na região, por se tratar de região litorânea , onde 80% dos pratos servidos , são acompanhados de aipim. O processamento do aipim é simples, mas exige cuidados com a seleção da matéria prima, com isso, a instrutora do curso ensinou técnicas inéditas para as agricultoras familiares. Assim, tornou-se possível a manufatura de produtos de melhor qualidade para o consumo e para a comercialização, durante esse curso, toda a alimentação foi elaborada pelas agricultoras familiares.

Nhoque de aipim á bolonhesa

GERAÇÃO DE RENDA

O curso trouxe conhecimentos, novas técnicas e oportunidades de ter um produto competitivo e atraente para o mercado. Com isso, ele tornou agricultoras familiares mais capacitadas e certificadas para o mercado. “Esse curso foi muito bom. Nos deu a capacidade de vermos outras formas de utilizarmos nossos produtos e, com isso, valorizarmos e obtermos um lucro maior.”, declarou Sandra Bandeira, agricultora familiar presente no curso. A partir do curso, a agricultora familiar passou  a vender seus produtos , não somente na feira, mas através de encomendas por telefones. Isto acabou gerando um aumento de renda, e diversificando sua lista de produtos pra venda

Ver Postagem

AGRICULTOR FAMILIAR AINDA PODE EMITIR NOTA FISCAL

Em informe, Noticias by Observatório Rio das OstrasDeixe um Comentário

Ao contrário do que foi dito em palestra no DEAGRO (Departamento de Agropecuária de Rio das Ostras) em marco desse ano pelo Sindicato Patronal de Casimiro de Abreu e Rio das Ostras.

O agricultor Enoque Paulino esteve na Secretaria de Fazenda na última semana para emissão de sua inscrição estadual e confecção do seu talão de nota fiscal, onde foi auxiliado pelo Observatório; contrariando as informações obtidas na palestra apresentada pelo Sindicato Patronal que o agricultor familiar não teria o direito da emissão do talão de nota em papel, e sim, com nota digital.

Sem a nota fiscal os agricultores não podem negociar seus animais e nem colocar seus produtos na merenda escolar. Essa iniciativa abre caminhos para novas demandas de emissões de talões e assim colocando os agricultores cada vez mais auto suficientes, assim podendo escolher a melhor negociação.

Em Cantagalo, os agricultores familiares têm se reunidos constantemente para discutir a descaracterização da zona rural e a questão fundiária, como também a falta de acesso as políticas públicas. O projeto de assentamento de 1987, vem sofrendo vários impactos e a especulação imobiliária e o que tem afetado a manutenção da agricultura familiar no local com maior intensidade.

Novos assentados

Hoje, além dos agricultores familiares assentados em 1987, existe um novo grupo que ocupou a Fazenda Andorinha em 2017 e que se juntou na luta pelo acesso aos seus direitos. Além do acesso a políticas públicas, brigam na justiça pelo reconhecimento do direito à terra.


Deprecated: Directive 'allow_url_include' is deprecated in Unknown on line 0