OBSERVATÓRIO DE SÃO PEDRO PARTICIPA DA FESTA DO PEIXE

Em informe, Noticias por EditoriaDeixe um Comentário

O Observatório de São Pedro da Aldeia (OBA SPA) participou da tradicional Festa do Peixe que aconteceu no último dia 11 de julho na Comunidade da Baleia. A festa contou com a participação de toda a cidade que foi prestigiar o evento. Esta festa tradicional no município deixou de ser realizada por muitos anos.

foto 2 foto 3 foto

Como de costume, os pescadores mais uma vez, foram receptivos ao projeto, pois já o conhecem de longa data. O OBA SPA Fez entrevistas com pescadores e constatou-se que o evento é considerado por aquela comunidade como uma conquista. Suas respostas, bem como a felicidade deles em conseguir resgatar essa festa tradicional (dessa vez com pratos tradicionais de ancestrais pescadores), foram as evidências encontradas de que ao menos estes objetivos foram alcançados.

A atividade pôde gerar outros encaminhamentos no sentido do apoio de todos os envolvidos (comunidade, associações, colônias de pescadores, ONG’ s, Poder Público, etc.) na continuidade da tradicional Festa do Peixe no calendário da cidade. Carente de eventos que resgatam as tradições locais todos os agentes acima citados só têm a ganhar com a manutenção desta festa.

No entanto, mesmo com a alegria do retorno da Festa do Peixe, a comunidade de pescadores não deixou de manifestar sua apreensão em relação ao problema que eles consideram crucial para a continuidade de suas atividades de trabalho, a poluição da Lagoa de Araruama. Os pescadores salientaram a necessidade imediata de verificar os pontos de despejos de esgoto in natura na Laguna de Araruama. Segundo eles, este é o fator principal da queda das atividades pesqueiras na laguna.

Essa tem sido uma fala recorrente em todas as vezes que esta e outras comunidades de pescadores no município de São Pedro da Aldeia foi visitada pelo OBA. A poluição da Lagoa, gerada por um crescimento desordenado dos municípios banhados pela laguna, segundo os pescadores, teve um efeito devastador na economia da região: afugentou os turistas, alterou profundamente o meio ambiente, dificultou enormemente a pesca e empobreceu quem vivia dessa atividade.